Ankündigung

Einklappen
Keine Ankündigung bisher.

EUA parecem estar se virando CONTRA O BRASIL!!!

Einklappen
X
 
  • Filter
  • Zeit
  • Anzeigen
Alles löschen
neue Beiträge

  • #21
    CIA culpa Berlim indiretamente por guerra no Iraque


    Desenho de um suposto laboratório móvel


    Denúncia irrita alemães. Temor de novo racha entre Washington e Berlim. CIA: Foi o serviço secreto alemão que forneceu dados de supostos laboratórios móveis mostrados por Powell na ONU para justificar a guerra no Iraque.


    Poucas vezes uma reunião do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas causou tanto furor quanto a do dia 5 de fevereiro de 2003. Com o uso de recursos audiovisuais, o secretário de Estado norte-americano, Colin Powell, apresentou o que considerava provas sólidas da existência de um arsenal bélico no Iraque, ressaltando a existência de 18 laboratórios móveis equipados para produzir armas químicas e biológicas.

    Fotos e desenhos detalhados fundamentaram a explanação de Powell, que enfatizava não haver margem para dúvida: “O que está sendo dito é baseado em fatos e conclusões de um consistente trabalho do serviço secreto.”

    Quatorze meses mais tarde, o tom é bem outro. “Parece realmente que as provas não eram tão consistentes assim”, admitiu o secretário de Estado norte-americano no começo de abril. O serviço secreto americano CIA diz ter sido burlado com uma história inventada.

    Os políticos republicanos, do partido governista, estão horrorizados. O senador Pat Roberts, que preside o Comitê de Inteligência do Senado americano, disse ao jornal Los Angeles Times que o fato é vergonhoso para todos que recorreram a tais informações.

    Alemanha usou fonte não confiável

    A principal fonte destas informações seria justamente da Alemanha, país que sempre repudiou a Guerra no Iraque. O serviço secreto alemão BDN teria dado credibilidade a um informante plantado, o jovem químico iraquiano de codinome Curveball.

    Ele teria contado em 2002 ter sido recrutado pelo regime de Saddam Hussein, após sua diplomação, para trabalhar no desenvolvimento dos laboratórios móveis. Na Alemanha desde 1998, Curveball descreveu com minúcias o projeto para os agentes do BND e elaborou até desenhos dos laboratórios móveis.



    As informações chegaram a ser apresentadas pelo presidente do BND, August Hanning, em sessões da Comissão de Exterior do parlamento federal em Berlim em novembro de 2002 e fevereiro de 2003.

    De acordo com a imprensa, todo o relato da fonte iraquiana fora inventada. Na verdade, Curveball teria agido a serviço de Ahmed Djalabis, um iraquiano colaborador dos Estados Unidos, obcecado pela idéia de derrubar o regime de Saddam Hussein. Hoje, Djalabis integra o regime de transição no Iraque.

    Irritação em Berlim com denúncia

    Para o Los Angeles Times, o BND omitiu dos americanos que seus conhecimentos, repassados à CIA, tinham origem em uma só fonte e ainda assim de credibilidade duvidosa. Segundo o governo alemão, a ligação de Curveball com a antiga oposição iraquiana no exílio só foi descoberta após a guerra.

    Apesar da falha assumida, fontes de Berlim estão indignadas com a "estranha tentativa" de Washington, diante da incomoda situação política do presidente George W. Bush, de "empurrar a culpa para a Alemanha e tirá-la de si mesmo".

    Experts de segurança reagiram dizendo que as acusações vindas do outro lado do Atlântico "podem levar a um novo choque nas relações entre Berlim e Washington". Oficialmente, o BND optou pelo silêncio, por seu dever "em proteger sua fonte".

    Enganados e enganadores

    As outras três fontes inicialmente consideradas seguras pelo governo americano também se revelaram duvidosas. Duas testemunhas teriam apenas ouvido falar da existência dos laboratórios móveis sem, entretanto, nunca ter visto algum deles. A quarta fonte já era tida há tempos como pouco confiável, relatou David Kay, ex-chefe dos inspetores de armas dos EUA no Iraque.

    Ainda não foi esclarecido como tais informações chegaram a Washington. O alemão Friedbert Pflüger, especialista em política exterior da União Democrata Cristã (CDU) aponta duas hipóteses: “Ou o serviço secreto alemão trabalhou mal ou o governo alemão passou as informações do BND adiante, de forma negligente.”

    Para o político de oposição, somente o culpado já está claro. Em todo caso, o governo alemão tinha "toda a responsabilidade política".

    Kommentar


    • #22
      voces ja ouviram falar de uma firma chamada DEGUSA??
      e a venda secreta e ilegal deles para Iraque? eles sabiam exatamente com que finalidade eles usariam tais produtos, mas era tanta grana que eles finjiram que nao sabiam, e so por esse motivo que a Alemanha foi contra a guerra para garantir o pagamento que o Iraque ainda estava devendo, nao entraram na guerra e perderam o pagamento, e estao bloqueados de participarem da reconstrucao do Iraque kakakakakaka, vao perder mais grana ainda.
      a Alemanha tambem e um pais muito podre. e a Franca exatamente pelo mesmo motivo perderam muita grana com esta guerra, muita grana.
      Ou voces acreditaram nesta conversa de partido verde?
      Agora porque o Brasil foi contra a guerra eu nao sei mas deve estar com o rabo enrolado tambem.

      fonte: certa e segura 100%.

      Kommentar


      • #23
        Flor


        Oi...
        Acho que o Brasil nao implica com os americanos, mas sim, eles sempre implicaram com a gente...
        Quando a gente implicou com eles? QUAndo surgiu o Mercosul?
        ELes acham que sao os donos do mundo...
        E querem que a gente fique só bajulando eles...
        E em escrever "americanóide" foi bem, essa paranóia dos americanos que acham que todo mundo é terrrista, vai ver que já estao pensando isso da gente...
        Eles que sao terroristas...
        Quer saber O QUE VEM DE BAIXO NAO NOS ATINGE ... eles atacaram o Iraque se achando os fortoes e o tal... agindo assim eles tem só tem a perder..
        E, O BRASIL SABE SE DEFENDER, SE ELES TEM BOMBAS NUCLEARES, E FICAM COM MEDO QUE OS OUTROS TENHASM TAMBÉM PROBLEMA DELES....
        EU SOU ATREVIDA ELES TEM BOMBA E A GENTE ANACONDA....
        ELES TEM BOMBA E A GENTE SUCURI....
        ELES NAO QUEREM FAZER UMA VISITINHA AS ANACONDAS NAO????

        BRASILEIRO SABE SE DEFENDER SE NAO COMECEM A APRENDER!!!!!!!!!!!!!
        Eles ficam achando que sao os deuses todo poderoso donos do mundo....

        :twisted: :twisted: :twisted:
        euzinha.... 8) 8) 8) 8) 8)
        o sol aqui está muito quente...

        Kommentar


        • #24
          Flor

          Agora estao culpando os alemaes!!!????
          :shock:
          Meu Deus vejo como eles estao loucos mesmo, essa paranóia americana, eles querem achar um culpado e nao sabem nem para que... reviraram e derrubaram o Iraque dizendo que lá tinha bombas e sei lá o que mais, e para vergonha deles nao encontraram nadinha e agora os alemaes, por nao ter apoiado eles sao os culpados!!!!????
          Nossa, eles deveriam ir para a lua mesmo....
          Acho que eles estao precisando de muitos psicologos para se curarem dessa paranóia... :shock: :shock: :!:

          Kommentar


          • #25
            Os Estados Unidos só conseguem liderar mantendo seu povo sob medo constante, medo dos russos, de um ataque atômico, dos cubanos, dos iraquianos e agora de qualquer muçulmano com uma mochila nas costas. Fizeram tanto terror psicológico que o exército pode usufruir de todos os meios financeiros que quiser para "proteger" os EUA dos bandidos, parece até brincadeira se não estivessem matando gente.

            Alguém já viu Bowling for Columbine do Michael Moore? Eu recomendo, é fantastico e demonstra muito bem como os EUA funcionam. Tem também um livro chamado "Quem chora por Abdul e Tanaya" de Friedrich Totenhöffer (acho que é esse o nome) muito bom falando exatamente sobre o desenvolvimento da guerra no Afeganistão e mais tarde no Iraque. Quem se interessa um pouco por este assunto dele ler o livro e ver o filme.

            Kommentar


            • #26
              Não é surpresa que o filme Bowling for Columbine esteja fazendo sucesso no Brasil. Para muitos Moore é um herói. Era somente uma questão de tempo para que seu filme chegasse no Brasil, um dos maiores mercados para suas idéias.

              Porém, será que tais idéias realmente representam a verdade? Será Moore um real representante dos "pobres e oprimidos" ou somente mais um manipulador dos mesmos?

              Seu livro "Estúpido Homem Branco", que está há 50 semanas nas listas de melhores do The New York Times e The Washington Post, é recheado de informações mal interpretadas, e outras genuinas inverdades. Algumas mentiras são tão claras, que fica evidente que o problema não foi um descaso na pesquisa dos dados, e sim uma má intenção calculada.

              No livro, Moore declara que "dois terços dos mais de 190 milhões de dolares que o Presidente Bush arrecadou para sua campanha vieram de um pouco mais de 700 individuos. A primeira falha no argumento é que a lei americana determina que o limite de doações individuais para uma campanha eleitoral é de dois mil dolares. Moore cita como sua fonte o "Center for Responsive Politics" web site, www.opensecrets.org, e um artigo do New York Times publicado em agosto de 2000. Porém, o que o opensecrets.org claramente diz é (1) que 52,6% do total de 193 milhões da campanha Bush vieram de individuos. Já o artigo do NY Times cita que 739 pessoas doaram dois terços do dinheiro arrecadado pelo partido republicano (esse dinheiro é usado para atividades que apóiam todos os candidatos americanos, não somente Bush) para as eleições de 2000.

              Outra acusação (sem provas) é de que cinco sextos do orçamento de defesa americano foi gasto no projeto de um so aviso! Haja imaginação.

              Moore, que não restringe suas criticas aos republicanos, também afirma que o ex-Presidente Clinton "conseguiu chutar 10 milhões de pessoas para fora do welfare (aposentadoria do governo)". Apesar do número de pessoas retiradas do welfare realmente ter sido grande no periodo (o número real em junho de 2000 era de 8.3 milhões), Moore simplesmente ignora o fato de a economia ter crescido agudamente no periodo, o que levou várias pessoas a abandonar voluntariamente o welfare. Novamente a ideia não é informar, e sim amedrontar o leitor.

              Como Moore conseguiu cometer erros tão simples na pesquisa de seu livro? O problema talvez seja que não exista pesquisa nenhuma. Afinal, uma lista publicada na internet num site chamado "Guerrilla News" (2) tinha 48 itens que aparecem exatamente na mesma ordem no livro de Moore. E essa lista já circulava pela internet antes do lançamento do livro. Curiosamente, Moore não cita fontes para a tal lista em seu livro.

              As coisas não mudam muito em Bowling for Columbine. Na verdade, ficam até piores. Para comecar, nem mesmo o titulo é baseado em algo real. Apesar dos dois adolecentes assasinos estarem inscritos numa aula de boliche, nenhum dos dois foi jogar na manhã de 20 de abril de 1999. O relatório da policia (pronto bem antes do filme) cita claramente que nenhum dos outros alunos naquela aula viu os assasinos.

              Numa das cenas inicias, Moore tenta mostrar como é facil comprar uma arma nos EUA. Ele vai a um banco, abre uma conta com mil dolares e "sai de lá com seu rifle novo em folha". Esse banco, como varios outros pelo pais, permite que o cliente receba os juros do seu deposito na forma de um rifle ou espingarda. O unico problema é que a funcionaria que abriu a conta de Moore, Jan Jacobson, diz que a cena do filme foi totalmente arranjada com meses de antecedencia (3,4). Ela diz que a arma foi comprada em uma loja de armas em outra cidade, onde qualquer cliente comum teria que ir. Além disso, clientes comuns teriam de esperar de 7 a 10 dias pela arma, periodo em que uma checagem no FBI é conduzida. "Ele nos mostrou como um bando de caipiras ignorantes", disse a Sra. Jacobson. Mas essa era a intenção, não é mesmo?

              Em outra passagem, Moore culpa os EUA pela morte dos 3 mil civis no ataque de 11 de setembro. O "fato" usado para sustentar é que os EUA deram 245 milhões para o Taliban entre 2000 e 2001. De fato, esse dinheiro foi doado pelos EUA, mas não para o Taliban, e sim para agencias americanas e da ONU, para ajudar em assistencia humanitaria no Afeganistão. Quer dizer, a logica mooreana diz que os EUA mereceram ser atacados por contribuir para o "Food for Peace" e escolas para crianças.

              Inúmeros outros factóides fazem parte do filme. A tentativa de provar a relação entre a National Rifle Association (NRA) e a Ku Klux Klan é baseada na data de fundação, em 1871. Na verdade, a Ku Klux Klan foi fundada em 1866. Os fundadores da NRA eram na sua maioria oficiais da União, que lutaram a Guerra Civil do lado vencedor dos anti-escravidão. O que aconteceu em relação ao Klan em 1871 foi a passagem do "Ku Klux Klan Act", que permitia a negação de habeas corpus aos membros do Klan. Esse ato serviu como grande recurso para a supressão do Klan. Quer dizer, Moore não somente errou nos fatos, ele os inverteu totalmente.

              Mas pior que os "fatos" apresentados por Moore, somente suas opiniões pessoais. Em outra passagem de seu filme, Moore sugere a existência de uma ligação entre o fato de Littleton ter uma fabrica da Lockheed Martin (que produz armamentos para o governo) e a "cultura da violência" da cidade. O que ele esquece de falar, por pura convêniencia, é que, apesar de o pai de um dos assasinos ter servido a aeronautica, nenhuma das familias envolvidas trabalhava na indústria de armamentos. Aliás, os pais de um dos assasinos eram totalmente contra armas, tanto que não deixavam seu filho brincar com armas de brinquedo, diferentemente das outras crianças mostradas no filme. Um dos fornecedores de armas dos adolecentes é filho de um ativista pelo desarmamento no Colorado. Quer dizer, o argumento já nasceu furado.

              Moore, na parte onde compara os EUA e o Canadá, diz que as porcentagens de minorias éticas no Canadá e nos EUA são iguais, 13%. Na verdade, o número real americano é 31%. Nessa mesma parte, ele compara o número de mortes por armas de fogo nos dois paises. O problema é que no total dos EUA ele inclui o número de mortes por intervenções legais (como criminosos mortos por policiais), enquanto o mesmo número não é incluido no total canadense.

              A lista de contradições continua, mas acho que já dá para ter uma ideia do problema.

              Sem dúvida, Moore sabe bem explorar sua imagem de "rebelde contra o sistema". Como ele faz isso? Usando o sistema oras.

              Antes de Bowling for Columbine, Moore já tinha conseguido um certo sucesso nos EUA com vários outros projetos. Em 1989, o documentario "Roger and me" conta os problemas dos trabalhadores de Flint, Michigan depois que uma fabrica da General Motors é fechada. Depois de "Roger and me", Moore criou uma serie de TV nos anos 90 chamada "TV Nation", o bestseller "Downsize This!" e, em 98, o documentario "The Big One".

              Bowling for Columbine está há 31 semanas em cartaz nos EUA, e já faturou mais de US$ 21 milhões. Sua página na web registrou picos de 10 milhões a 20 milhões de visitas diárias.

              Resumindo, Moore é um milionario que ganhou seu dinheiro e fama falando mal de tudo e todos que ele mesmo usou e usa. A verdade é que em nenhum outro país do mundo ele conseguiria fazer o que faz. Moore não é um inimigos dos EUA, como alguns podem pensar. Ele é um grande manipulador. Ele trabalha como as "corporações inescrupolosas" que tanto critica, fazendo fortuna em cima do povo que ele diz defender. E ainda por cima, fabricando e moldando os fatos para sustentar suas teorias.

              Seu novo projeto se chama "Fahrenheit 911", onde mais uma vez ele explora sua teoria da culpa americana na morte dos proprios americanos em 11 de setembro de 2001. É ironico que Moore tenha escolhido justamente Fahrenheit 451 de Ray Bradbury como inspiração para seu novo projeto. Justamente um livro que mostra uma sociedade controlada pela limitação de informações, pela queima dos livros. Não acho que Moore seja maluco o suficiente para propor uma queima de livros. Mas de uma forma ou de outra, sei que ele não se importará em queimar certas paginas que lhe interessa.

              Paulo Mode

              Kommentar


              • #27
                saco cheio deixa a Paula, depois de ler tudo que ela escreve ou ela e muito b#### ou ela tenta atraves deste site defender os alemaes e so isso que interessa a ela, entrou na caixinha de vidro e jogou a chave fora, concordo com o que um gast falou la em cima, a Alemanha so nao entrou na guerra do Iraque porque como a Franca e Russia estavam fazendo negocios ilegais com o Iraque ( mas isso e so conversado em rodas muito altas pessoas comuns nao tem ascesso a essas informacoes),so resta mesmo para os Alemaes torcerem muito pro Bush ir embora, porque os americanso estao descobrindo dia apos dia e esta saindo caro para a Europa ate no Euro os americanos ja mexeram para que fique sempre mais alto do que o dollar assim diminui as exportacoes da Europa e aumenta a deles :wink:

                Kommentar


                • #28
                  ... EUA, faz de tudo pra desviar atenção sobre o Iraque... blefa c o Brasil, acusa Alemanha ... e por ai vai ... usando informações falsas ou não, vai ganhando tempo, frente a opinião mundial... êta circo perigoso, que pode incendiar a qq momento....vc já pensou???



                  BBC 19:28 - 14/04/2004
                  'Temos total confiança no Brasil', diz subsecretário dos EUAPaulo Cabral, de Washington

                  O subsecretário americano para o Hemisfério Ocidental, Roger Noriega, disse que os Estados Unidos têm "total confiança" no Brasil e que não há qualquer dúvida a respeito das intenções do país na área nuclear.

                  Na semana passada o assunto ficou em evidência depois que o jornal Washington Post publicou uma reportagem relatando supostas resistências do Brasil a inspeções da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). Dando declarações análogas às do recém chegado embaixador brasileiro, Roberto Abdenur, o subsecretário Noriega disse que o assunto não é tema das relações entre o Brasil e os Estados Unidos.

                  "Claro que este é um tema muito importante, mas não acreditamos que seja assunto para as relações bilaterais entre nossos países. Este é um tema que deve ser tratado em um foro multilateral" , disse.


                  Conflito
                  Analistas também já haviam observado que os Estados Unidos não entrariam em conflito com o Brasil por causa da polêmica em torno das inspeções.

                  Mas no mês que vem, o secretário de Energia dos Estados Unidos, Spencer Abraham, e o diretor de Não-Proliferação do Departamento de Estado, John Wolf, vão passar pelo Brasil em uma viagem pela América Latina. Os encontros com as autoridades brasileiras foram programados para discutir questões energéticas em geral, mas assessores destes departamentos já admitiram que o tema do enriquecimento de urânio no Brasil também deve entrar na pauta das reuniões.

                  Kommentar


                  • #29
                    Zitat von Anonymous
                    saco cheio deixa a Paula, depois de ler tudo que ela escreve ou ela e muito b#### ou ela tenta atraves deste site defender os alemaes e so isso que interessa a ela, entrou na caixinha de vidro e jogou a chave fora, concordo com o que um gast falou la em cima, a Alemanha so nao entrou na guerra do Iraque porque como a Franca e Russia estavam fazendo negocios ilegais com o Iraque ( mas isso e so conversado em rodas muito altas pessoas comuns nao tem ascesso a essas informacoes),so resta mesmo para os Alemaes torcerem muito pro Bush ir embora, porque os americanso estao descobrindo dia apos dia e esta saindo caro para a Europa ate no Euro os americanos ja mexeram para que fique sempre mais alto do que o dollar assim diminui as exportacoes da Europa e aumenta a deles :wink:
                    - Obrigada por estar proucupada com meu grau de inteligência, mesmo não sendo necessário da sua parte.
                    - Se você não gosta doque escrevo, não leia, é fácil.
                    - Eu defendi a Alemanha? Engraçado nem falei sobre a Alemanha neste post ai em cima....eu falei dos Estados Unidos. Não gosto da política internacional praticada por eles, não gosto da maneira de querer resolver o problema de todo mundo do modo que "eles" acham melhor, não gosto da arrogância perante o resto do mundo.
                    Já que você me acha não muito inteligente por favor me explique: O fato de eu pessoalmente não gostar dos EUA significa que defendo a Alemanha?

                    Kommentar


                    • #30
                      Flor

                      Oi paula, claro que nao...
                      Liga para o que os outros falam nao...
                      Também detesto os americanos e como eles se comportam e a tamanha arrogância deles. Sabe, meu noivo é alemao e adoro os americanos e sempre fala que os alemaes sao muito amigos deles devido a 2 guerra... Mas um amigo que vem por tras e joga uma bomba em mim??? Isso para me nao é amigo...
                      Eles destruiram o Japao e depois foram dar uma de amiguinhos, sinceramente acho que eles sao muito fingidinhos, só defendem seus interesses e sao marionete dos ingleses, só fazem o que os ingleses mandam!!!!!
                      ECA!!!! :roll: :roll: :wink:

                      Kommentar

                      Unconfigured Ad Widget

                      Einklappen

                      Brasilien Forum Statistiken

                      Einklappen


                      Hallo Gast,
                      Du hast Fragen?
                      Wir haben die Antworten!
                      >> Registrieren <<
                      und mitmachen.

                      Themen: 24.693  
                      Beiträge: 183.537  
                      Mitglieder: 12.484  
                      Aktive Mitglieder: 37
                      Willkommen an unser neuestes Mitglied, itscarsten.

                      P.S.: Für angemeldete Mitglieder ist das Forum Werbefrei!

                      Online-Benutzer

                      Einklappen

                      283 Benutzer sind jetzt online. Registrierte Benutzer: 0, Gäste: 283.

                      Mit 2.135 Benutzern waren am 16.01.2016 um 01:30 die meisten Benutzer gleichzeitig online.

                      nach Oben
                      Lädt...
                      X