Versus místicos de Angelus Silesius, citado em Psychological Types, num dos primeiros trabalhos de Jung. Este poema está no livro « A Gnose de Jung e os Sete Sermões da Montanha, de Stephan A. Hoeller, Editora Cultrix. Lindos!


“ Sei que sem mim
Deus não pode viver um momento;
Se acaso eu perecesse, Ele não poderia
sobreviver.

Sou tão grando quanto Deus,
E Ele, tão pequeno quanto eu;
Ele não pode estar acima,
nem eu embaixo Dele.

Em mim Deus é fogo
E Nele eu sou o seu brilho;
A nossa é uma vida em comum.
Separados não podemos crescer.

Deus e homem Ele é para mim,
Os dois, na verdade, eu sou para Ele;
Sua sede eu satisfaço,
Em minha necessidade Ele auxilia.

Deus é como é,
Sou o que devo ser;
Se conheces um, na verdade
a Ele e a mim conheces.

Sou a vinha que Ele
mais cultiva e acalenta ;
O fruto que de mim cresce
É Deus, o Santo Espírito.”